sábado, 28 de dezembro de 2013

Criando seu próprio cenário para RPG

Por Natalia Avernus


Acredito que a maioria dos mestres, senão todos, já criaram um cenário próprio de RPG em algum momento de sua vida rpgística, mesmo que simples, com meia dúzia de cidades e deuses. Existem hoje muitos cenários criados pelas empresas que desenvolvem os sistemas de RPG (Banestorm, Forgotten Realms, World of Darkness, Titan, Reinos de Ferro, etc.) e cenários baseados em ficções famosas (A Terra-Média, Westeros, etc.).

Com a tendência moderna de poupar tempo, seja por que estamos trabalhando cada vez mais, estudando cada vez mais, perdendo tempo em redes sociais cada vez mais... Se temos tempo para o RPG, queremos otimizá-lo. Para quê perder tempo (horas e horas!) criando um cenário próprio se já existem tantos e tão bem-feitos?







Por que fazer seu próprio cenário?

Gerar um produto de sua imaginação, exercitar a criatividade, praticar a escrita, pesquisar assuntos diferentes, ler fontes diversas (cenários prontos, romances, quadrinhos, livros de História, etc.). Para mim estes são bons motivos para se iniciar esta missão!

Se você é criativo e gosta de escrever, nem tem dúvidas do porquê! Será um prazer fazer este trabalho.

Se você é criativo mas não gosta de escrever, talvez a motivação para fazer o cenário até lhe ajude a colocar a mão na massa. Logo abaixo vou citar um tutorial que usei que ajuda muito a escrever.

Se você não é muito criativo mas gosta de escrever, o ideal é buscar referências em cenários que já existem. Pense nos que já existem e no que você quer. Um cenário medieval bem high fantasy? Um futuro pós-apocalíptico? Algo mais parecido com a antiguidade, como na época do Império Romano? Leia materiais que remetam à cultura do tempo que você quer (no caso de futuro, terá que ser ficção mesmo! Boa sorte!).

Se você não é criativo nem gosta de escrever: aí fica bem difícil! Provavelmente você nem se interessará em escrever um cenário e será mais feliz mestrando em um cenário pronto.


Como fazer?

Pode-se começar a criar um cenário de qualquer forma: pelo desenho do mapa, pelo panteão, pela cosmologia... E é fácil se perder! O que não pode faltar? O que fazer primeiro? Quando resolvi desenvolver meu cenário a sério, busquei um tutorial que me ajudasse nesta tarefa hercúlea e encontrei esta pérola preciosa:


Este tutorial ensina a fazer um cenário de fantasia, mas pode ser adaptado (com alguma criatividade) para outras temáticas. Em 30 “dias”, ele apresenta um elemento do mundo e dá as diretrizes de como desenvolver o elemento em questão.



Ex: Day 1: Climate and Variety, Day 2:The Physical Planet, Day 3: Mood and Setting... Sim, o texto está todo em inglês, mas se você não domina o idioma peça ajuda até do google tradutor, pois muito material de qualidade está em inglês e quem sabe você até acaba aprendendo um pouco?

Criei todo o meu cenário baseado nestes “dias” e o resultado foi excelente. Claro que levou muito tempo, muito mesmo, meses de trabalho! Mas a gestação e o “filho” valeram todo o tempo investido!

Disponibilizo também uma lista de elementos culturais que eu fiz, baseados na Classificação Decimal Universal (sistema que nós, bibliotecários, usamos para classificar documentos). Ali estão arrolados vários aspectos culturais como vestuário, ornamentos, batismos, rituais, hierarquia familiar, casamento, prostituição, refeições, tratamentos dos cadáveres, festas nacionais, festas públicas, etiqueta, mulheres na sociedade, etc., etc...



Enriquecendo...

Após a criação do cenário (espero que você chegue lá!) será o momento de enriquecer cada vez mais. Isso pode acontecer com a busca de imagens que representem as áreas do seu mundo, composições de canções populares e hinos, criação de nobiliarquias e heráldica, elaboração de contos e lendas baseados nas localidades e personagens... Você já terá “pano de fundo” para criar o que quiser e tudo que acrescentar só virá a dar mais detalhes e vida ao cenário.

Representação perfeita para a Vila dos Pescadores da cidade de Sereana (parte do meu cenário)



Na prática, no roleplay...

Conforme for mestrando, você notará a necessidade de desenvolver com mais profundidade alguns elementos que os jogadores interagirão mais. Seja o bestiário para os dungeon crawlers, sejam as famílias nobres para um jogo estilo guerra dos tronos, sejam as localidades e itens mágicos para viajantes em busca de tesouros, ou os modelos das naves e tecnologia para viagens no espaço, o trabalho do criador do cenário está sempre aumentando! Foque sempre no que os jogadores vão interagir mais, pois assim eles terão uma experiência mais rica dentro do seu cenário.


***


E você, já tem seu cenário próprio? Ele está bem desenvolvido? Ainda não saiu dos esboços? Ou nem começou a pensar no assunto? Comente aqui suas experiências e expectativas!



Créditos da Imagem 1
Restless by elia illustration (Deviant Art)

Créditos da Imagem 2
Creation by Jasvena (Deviant Art)

Créditos da Imagem 3
Old Korvosa Slums by BenWootten (Deviant Art)




5 comentários:

  1. bela matéria tenho um blog também voltado para desenhos mangás no entanto há uma seção para o RPG de mesa também. Passa lá pra você conhecer. http://ziperan.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Que interessante! E escrevi recentemente uma postagem sobre a saga de começar a pensar num mundo próprio. Vou clocar seu endereço nos comentários lá.
    http://www.dragoesdosolnegro.com/2014/01/criando-seu-mundo-de-fantasia-medieval.html

    Gilson

    ResponderExcluir
  3. Sugestões: remover a confirmação de comentário e cadastrar seu blog aqui:

    http://www.rpg.net.br/blogs

    Gilson

    ResponderExcluir
  4. Gostei desse blog. Suas ideias são bem estruturadas. Sou membro do Sarjetacast.
    Mas ultimamente estou postando sozinho no meu blog baseado em um jogo de RPG:
    www.contosdotempoperdido.blogspot.com
    Se puder dar uma força confira.

    Luis

    ResponderExcluir
  5. Ótimo artigo, vai me ajudar a definir melhor o jogo que estou criando.

    ResponderExcluir